Find us on Google+

Justin Bieber fala sobre “Sorry”, Hailey Baldwin, mostra nova música e mais para a GQ Magazine

GQ Magazine divulgou na última quarta, 10, o ensaio fotográfico de Justin Bieber feito por Eric Ray Davidson para a capa de março da revista, confira aqui.

Hoje, 11, foi publicado a entrevista completa do canadense, onde ele fala sobre seu passado, seu antigo macaco OG Mally, seu relacionamento “colorido” com Hailey Baldwin, o afastamento com sua mãe Pattie Mallette e mais. O astro também explica um pouco mais de seu hit “Sorry” e mais. Confira na íntegra:

É uma tarde no início de janeiro, e Bieber e eu estamos sentados numa cabana privada ao ar livre na cobertura do hotel em Beverly Hills que ele mora agora. Bieber se mudou para esse hotel a quase dois anos atrás, depois de vender sua mansão de seis quartos em Calabasas para Khloé Kardashian, depois de diversos confrontos com vizinhos e com a polícia. (Sua rampa de skate foi removida). Ele é esbelto, com tatuagens em ambos os braços. Seus cabelos, cortados curtos nos lados mais longos o suficiente em cima para serem presos em um pequeno rabo de cavalo, está dentro de uma touca cinza. Seus pés estão dentro de Yeezy Boosts. Ele está vestindo uma quantidade que pode variar de 2 a 41 de blusas pretas de diferentes tamanhos. Todas as outras pessoas na piscinas estão usando roupas; ele está vestindo moda. Quando ele chegou alguns minutos atrás, ele estava escoltado por um executivo da Def Jam na caminhada de 5 segundos do elevador até sua cabana.
“Você é o Justin?” Eu perguntei.
“Eu devo ser,” ele respondeu.
Se alguém pedisse para você listar as 10 piores coisas que você fez em público, você provavelmente teria que vasculhar seu cérebro para achar uma lista com a metade disso. Justin Bieber tem uma sabedoria enciclopédica de suas mancadas em público. Ele poderia recitar sua lista com os primeiros em sua cabeça, porque pedem para ele revisar esses conteúdos toda vez que ele é entrevistado. Ele trata a lista de coisas que fez de errado como conhecimento público. Nós sabemos que pi é 3,14; nós sabemos que Justin Bieber foi preso por suspeita de dirigir embriagado em Miami (uma queixa retirada como parte do acordo); nós sabemos que ele abandonou um macaco – um bebê macaco – na Alemanha.
Um ano atrás, por todos esses pecados – e presumidamente por muitos outros que nós nunca saberemos – Bieber embarcou num turbilhão de desculpas públicas. Ele se sentou para uma conversa na Ellen (levando flores para o aniversário dela) e depois colocou um vídeo no Facebook dizendo que ele se sentiu estranho durante a entrevista expressando remorso pelo seu comportamento no “ano passado, um ano e meio atrás.” Ele foi o assunto de um Comedy Central Roast organizado pela sua equipe, que, diferente dos rosts dos amados comediantes, encheu o ar com um cheiro amargo, como se uma bruxa tivesse sendo queimada.
Ele apareceu na capa da Seventeen junto com a declaração “Eu estava desapontado comigo mesmo.” Ele comprou um jantar para policiais. E depois, Justin Bieber fez a coisa mais prudente que ele poderia fazer para ganhar o perdão do mundo: Ele lançou um álbum de musicas que te derretem.
“Purpose” deu a Justin o que anos usando calças caídas não deram: fez as pessoas enxergarem ele como um artista adulto capaz de atrair pessoas com idade suficiente para alugar um carro. De repente, tudo estava indo bem. Colaborações com Skrillex e Diplo conquistaram boas críticas. O álbum produziu um recorde de hits. “Homens crescidos agora amam as musicas de Justin Bieber também.” Conforme 2015 foi chegando ao fim, se você pensou que a música música do Justin Bieber foi ruim, você foi pior que esnobe – você foi desinformado. As pessoas estavam até começando, experimentalmente, a gostar da pessoa do Justin Bieber.
Em Outubro, Bieber lançou o single “Sorry,” no qual ele se desculpa para uma menina não nomeada durante os três minutos de música mais chiclete da sua vida. Muitos interpretaram a música como uma sentença de culpa por tudo que ele fez de errado. Hoje, Justin Bieber diz que não foi. “As pessoas surgiram com isso – que eu estava, tipo, me desculpando com a música e tudo mais. Na verdade não tem nada a ver com isso.”

 

Não foi feito para ser um pedido de desculpas? “Não. Foi sobre uma garota.”

Eu digo que por grande parte do último ano, ele vem buscando perdão. Ele me diz que foi mais sobre “reconhecimento” de erros passados. Não “me desculpe por ter quebrado seu vaso,” mas, ao invés disso, “cara, eu quebrei seu vaso – foi minha culpa – eu admito isso.”“Todo mundo, quando começa a crescer, percebe que, ‘cara, eu fiz algumas coisas idiotas quando eu era mais novo.’ Não é só eu… Se eu pudesse voltar no tempo, eu não mudaria muita coisa. Eu acho que tudo faz parte da minha jornada. Essas coisas me fizeram ser quem eu sou.”

 

Vamos observar antes de irmos muito longe, o JB não é fácil de conversar. Um linguista diria que ele viola as normas do Backchannel. Isto é, ele tem sinais verbais sutis-pistas como “mmm-hmm”, “yeah” e “right”; acenos de cabeça rápidos que indicam um ouvinte envolvido e que incentivam o alto-falante a continuar. Você pode executar esses sinais inúmeras vezes por dia; é algo humano, não importa se eles falam Inglês, Húngaro, ou Farsi. Há uma série de razões pelas quais Bieber pode ter desenvolvido esse hábito irregular. Talvez tenha sido alertado a ele que duas pessoas falando ao mesmo tempo faz um audio de má qualidade em um talk show. Talvez ele foi avisado de que um sinal de “sim” demonstra que você está prestando atenção poderia, nas mãos erradas, se transformar em uma afirmação gravada como Bush fez 9/11. Talvez ele queira ser inquietante.

Seja qual for a razão, é inquietante. É inquietante para compartilhar uma história pessoal, ou fazer uma pergunta prolixa, e ser respondido com o silencioso olhar do Justin Bieber, com olhos frios o tempo todo em que você está falando. Justin Bieber faz contato visual como uma pessoa que tem sido dito que o contato visual é muito, muito importante.

Ele pode ser difícil para falar de outras maneiras, também. Ele geralmente não responde à ironia. Ele fala mais silenciosamente como um rato que está dormindo, você tem que frequentemente pedir-lhe para repetir as coisas. (Mais de uma vez, sentindo a minha ansiedade do meu gravador que pode não conseguir detectar as ondas sonoras minúsculas de seu discurso, movendo-o para mais perto dele, assegurando-me, “eu entendi você.”) Suas respostas à maioria das perguntas são curtas, muitas vezes monossilábicas, até você bater em cima de um tema que ele fica confortável discutindo, como seus fãs ou a opinião do homem de Deus (que o deleitam), caso onde ele vai falar incessantemente com cerca de 1.000 palavras.

Bieber fala sobre Deus de um modo supérfluo de alguém que sabe como ler a Bíblia nas entrelinhas, que está confiante de que apreciou corretamente o seu verdadeiro significado. O amor de Deus o ajuda a ser uma pessoa boa e reconhecer o valor cósmico de ser uma boa pessoa, mas o amor de Deus também está disponível para ele, mesmo quando ele não age como uma boa pessoa. Ao contrário de funcionários, amigos e membros da família, Deus nunca fica desiludido e desapontado com Justin Bieber. Na conversa, Bieber faz muitas vezes alusão a faliabilidade das pessoas mais próximas a ele: “Eu tive pessoas que me queimaram tantas vezes”; “Se investirmos tudo o que temos em um ser humano, nós vamos nos quebrar.” Deus é provavelmente a única pessoa no universo Bieber pode realmente confiar.

“Eu sinto que é por isso que eu tenho um relacionamento com ele, porque eu preciso dele. Eu engulo sozinho. Como quando estou sozinho e eu sinto que eu não tenho nada para me apoiar. Terrível. Pessoa terrível. Se eu estava fazendo isso por mim mesmo, quer dizer, eu ainda estou fazendo coisas que são estúpido, mas … só preciso de algum tipo de esperança e algo para me agarrar, e um sentimento de segurança, e uma sensação de ser querido, e um sentimento de ser desejado, e eu sinto que nós só pode obter um pouco disso de um ser humano. “

Bieber me diz que se deter a negatividade é “exatamente o que o Diabo quer. Ele quer que nós não sejamos felizes. Ele quer que não vivamos a vida que podemos viver de verdade.

Se isso for verdade, então o diabo deve estar furioso agora, porque Justin Bieber está no topo do mundo.
Eu o pedi para me contar tudo sobre o macaco. Aqui está o que sabemos. Em março de 2013, Justin Bieber sofreu o pior pesadelo de todo amante animal: o confisco de seu animal de estimação pelo governo alemão. Seu macaco-prego, OG Mally, foi apreendido pelos oficiais quando Bieber desembarcou em Munique para um show da turnê. A razão exata é uma questão de disputa, mas de qualquer forma, OG Mally foi colocada sob quarentena. Funcionários deram a Bieber até 7 de maio para recuperá-lo, com a papelada adequada. 07 de maio veio e se foi. Em agosto, a Alemanha estava exigindo cerca de US $ 8.000 em taxas relacionadas com a deslocalização do macaco para um jardim zoológico.
Assim que vazou, a história OG Mally assumiu uma qualidade mítica. O primata, um animal de estimação , propriedade de mulheres nobres na arte renascentista, e de Michael Jackson, se tornou um símbolo dos excessos do Bieber. A perda dele era um indicativo de irresponsabilidade. Seu fracasso em recuperá-lo marcou Bieber como indiferente: o pai que nenhum macaco merecia. Mas o melhor que eu posso dizer, ele realmente amava esse macaco.
Quando eu trouxe a tona Mally, eu errei a pronuncia de seu nome, Eu tinha presumido que a pronuncia era Mal-ee, como “rally” -e Bieber imediatamente me corrigiu. “Era Mally”, diz ele, pronunciando Maul-ee, como ter propriedades características ou semelhantes a “mall”.
OG Mally, diz ele, foi nomeado depois que um homem chamado Mally, lhe deu o macaco como um presente de aniversário, porque Bieber sempre quis ter um. “Não foi como eu se eu fosse à procura de um macaco ou qualquer coisa. Apenas caiu no meu colo.”
Pergunto se é verdade que Bieber não tem os papéis necessários para transportar o macaco através das linhas internacionais.
“Eu tinha os papéis.”
Então, qual foi o problema? “Na Alemanha, esse macaco esta em extinção ou algo assim … mas eu tinha os papéis. Eu mesmo tinha escrito que ele era um macaco de circo e ele poderia viajar e toda essa merda. Eu tinha todos os documentos corretos. As coisas ficam distorcidas.”
É difícil não se sentir um pouco mal pelo Bieber, perder seu macaco para a Alemanha. Digo que não esperaria um adolescente estivesse totalmente atualizado sobre a política de transporte de animais selvagens na Alemanha. Uma sombra passa sobre o seu rosto.
“Honestamente, todos me disseram para não levar o macaco. Todo mundo.”
Ele diz isso com tanta gravidade que comecei a rir. Bieber não.
“Todo mundo me disse para não levar o macaco. E eu estava tipo, ‘Ele vai ficar bem, caras!”, ele fecha a sua olhos- “muito distante de bem.”
Será que você vai voltar e visitá-lo?
“Hum, talvez.”
Voce pegaria outro?
Sim, um dia. Só tenho que ter certeza que eu vou ter uma casa e que ele vai permanecer na casa. Năo vou leva-lo para a Alemanha ou viajar com ele. As pessoas estão sempre tipo, ‘Por que você teve um macaco? “Se você pudesse obter um macaco, assim, você teria uma porra de um macaco também! Os macacos são impressionantes.”
Alguns dias antes de nos encontrarmos, Bieber faz tipo pré reconhecimento das manchetes, quando ele foi pedido para se retirar doo sitio arqueológico no México.

 

Bieber é notoriamente impaciente. No meio de uma linha de questionamento sobre seu casaco, o qual é um emaranhado complicado de mangas e treliça que eu não vou nem tentar explicar isso aqui, exceto pra dizer que o próprio Bieber descreve isso como “muito” e sugere irmos dar “uma volta”. Eu logo percebo que ele quis dizer através do hotel – um passeio do Plaza com Eloise.
“Eu estou ficando inquieto. Eu tomo Adderall, também.”
Adderall é um estimulante comumente prescrito para tratar Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Bieber, que tem 21 anos, diz que está passando por isso a “cerca de um ano”, mas eu acho que eu estou prestes a parar porque eu sinto que isso está me dando ansiedade.
Eu pergunto se ele pretende substituí-lo por outra coisa ou se afastar completamente dos estimulantes.
“Esse é o ponto”, ele diz assim que saímos da área da piscina. “Os médicos vem me dizendo que a razão de eu não ter sido capaz de me concentrar durante o dia é porque eu não estou…”
Bieber é interrompido no meio de um pensamento sobre concentração por um cavalheiro bronzeado e enrugado – um residente do hotel, que aparentemente decidiu neste exato segundo que ele gostaria de assistir a um show do Justin Bieber gratuitamente. Bieber desprendeu-se tão educadamente quanto um chefe da máfia. Nós retomamos nossa conversa no elevador.
“Eu não estou tendo um sono tranquilo, então durante o dia eu preciso (Adderall) pra me concentrar porque eu não consigo adequadamente – você sabe, quando você dorme, seu corpo cria endorfinas, cria essas coisas, e quando você não consegue aquele sono…”
Justin Bieber me diz que a falta de sono está comprometendo todo o seu sistema imunológico.

 

Ele diz espera que parar com o Adderall gradativamente e substituí-lo por “algo realmente natural, como a ajuda de um sono natural. É pra isso que estou indo para Nova York.” As portas do elevador se abrem para a garagem do hotel (Bieber nos levou para o andar mais baixo por acidente), e ele e eu imediatamente damos de cara com seu Viagra-blue Ferrari 458 Italia. Bieber me diz animadamente que o carro foi modificado através da adição de um “kit de carroçaria japonês feito sob medida.”

 

Eu pergunto à ele o que é um kit de carroçaria, e ele descreve isso como “um kit de carroçaria”. Eu estou desconfiado de acabar com a sua empolgação luminosa com o carro, então eu paro de tentar descobrir isso. Ele declara que a Ferrari parece “quase igual ao Relâmpago McQueen”, o que eu suponho que deve ser uma referência a uma transmissão manual ameaçadora de dois lugares conduzido ao redor de curvas fechadas por Steve McQueen em um filme dos anos 60, até eu procurar e descobrir que é o nome do carro de “Carros”. Ele e eu tentamos perscrutar a janela para ver o interior, mas os vidros eram tão matizados que nós poderíamos muito bem estar olhando para um pedaço de papel preto de construção. O carro não tem licença porque é novo demais pra precisar de uma, Bieber ainda me diz que ele está pensando em vendê-lo em um leilão em breve. Ele não se enxerga comprando nenhum carro a mais por um tempo, possivelmente porque já tem um acúmulo de carros novos que ele ainda não recebeu. Além dos “eu acho que cinco” que estão sob sua posse atualmente, ele está esperando a chegada de uma produção limitada LaFerrari que ele encomendou “muito tempo atrás”. Eu lhe ofereço 100 dólares no local pela Ferrari Itália. Ele diz que minha oferta é atraente.
“É a Hailey no meu quarto?” Bieber pergunta à seu guarda-costas de volta ao elevador. Hailey é Hailey Baldwin, filha de Stephen, sobrinha de Alec. Ela estava com o Bieber durante o ano novo e os rumores dizem que é supostamente sua namorada. (Ela estava com ele no México quando ele fez insultos.) A maioria dos jovens de 21 anos devem perguntar à Hailey onde ela está diretamente, por mensagem. Bieber não manda mensagem.
“Eu não quero que as pessoas sintam como se elas pudessem simplesmente entrar em contato comigo assim tão fácil”, ele me diz mais tarde quando eu pergunto sobre as logísticas do telefone pessoal de uma estrela do pop. Muitas poucas pessoas tem o número dele. Ele nem se preocupa em memorizar porque tem que ser trocado a cada seis meses, por segurança. Uma das coisas mais cativantes sobre Justin Bieber é que todo o tempo eu estou com ele, ele nunca olha para seu telefone.
Hailey está em seu quarto. Ela é a única em seu quarto (exceto pela Esther a cadela, que cheira incrívelmente bem). Quando nós entramos, Hailey está vestindo um top cropped preto e calça preta apertada, sentada em uma cama primitivamente feita. Ela está fazendo nada – sem TV, sem livro, sem celular, sem computador, sem música, sem tinta a óleo, nada. Ela é linda, educada, tem 19 anos e me pergunta, “Como vai?” Eu estou impressionado que ela não se esconde no banheiro com o chuveiro ligado, que é o que eu faria se meu suposto namorado superfamoso aparecesse sem avisar com um jornalista no meio do meu dia. Eu me sinto culpado por manter Justin longe dela, a suíte é adorável, mas menor e menos opulento do que eu tinha imaginado. O interior é iluminado como dentro que uma caverna ao nascer do sol. Hailey e eu (e Esther) nos sentamos em volta da mesa enquanto Justin pega um violão.
Só pra lembrar você: Esta é a casa do Bieber. Uma suíte de hotel cuja cadeira está presa a sua mesa por fileiras de tênis caros. Um chuveiro regularmente reabastecido com pequenos shampoos (os quais ele usa). Uma varanda com vista para um pátio que dá de frente aos paparazzi, os quais sabem onde ele mora. Um estranho gringo que quer ingressos do Bieber de graça. Uma cama de cachorro, um violão e uma jovem que parece satisfeita de sentar com ele e ouvi-lo “aprendendo a retalhar”, apesar de que ela poderia estar fazendo compras com Kendall Jenner. Ele me disse que queria que sua próxima casa fosse “algo realmente especial que é único pra mim.” Ele disse que devia construir. Mas a verdade é que, ele não está realmente pensando nisso agora. Ele está prestes a deixar o hotel para outros hotéis, em turnê pelo mundo durante um ano e meio.
Bieber toca uma nova música que ele está trabalhando chamada “Insecurities”, cuja letra é sobre consertar as inseguranças de uma garota. Ele me pergunta se eu gosto. Eu gosto. O refrão – Oh, oh…oh, oh…fix all of your insecurities – ficou na minha cabeça por dias.

 

Bieber e eu seguimos para o jardim do hotel, deixando Hailey sozinha na suíte. Eu lhe pergunto se eles estão namorando e ele enfaticamente sacude a cabeça. Afetado por uma expressão meio confusa, como se não pudesse compreender, como pode ter passado pela minha cabeça, que ele pudesse estar namorando a garota que deixamos no quarto cujo o beijo foi fotografado. Eu pergunto então se ela e a amiga que ele beija. “Uh-Uh“ responde ele. “Eu acho que sim“ . Mas tarde ele acrescenta a sua descrição de Baldwin como “alguém que eu realmente amo . Nós passamos muito tempo juntos.”
Em termos de romances, Bieber é extremamente pratico no que diz respeito a sua extraordinária vida. Ao mesmo tempo que diz que adoraria se casar um dia, ele também enfatiza que no presente momento, ele é jovem , está muito ocupado e que ele é o Justin Bieber. A possibilidade de constituir família, em um momento que esta viajando muito e cheio de mulheres ao redor, seria desastroso. Ele está cauteloso em magoar alguém por faze-lo se sentir preso e ao mesmo tempo ressentido por lutar contra esses vínculos. Dizer que não quer se prender a alguém não é a coisa mais nobre a ser dita, mais, sem duvida, é a mais honesta.
“Eu não quero colocar ninguém em uma posição que pense que eu só pertenço a esta pessoa , para depois magoa-la. Neste momento, na minha vida, eu não quero ficar preso a nada . Eu já tenho o bastante para me preocupar. Muitas responsabilidades. Eu não quero pensar que a garota que eu amo, é mais uma responsabilidade. Eu sei que no passado, eu machuquei pessoas por dizer coisas apenas para faze-la felizes naquele momento. Agora eu estou muito mais voltado para o futuro, me assegurando que não estou magoando ninguém. E se por acaso, a Hailey acabar se tornado a mulher com quem vou me casar , e eu enfiar os pés pelas mão e magoa-la … Será uma magoa eterna . E é muito difícil curar certas feridas . Eu não quero magoá-la.”
Bieber me diz que ele teve apenas um termino ruim em sua vida. Selena Gomes, que foi a inspiração para muitas de suas musicas do seu álbum “Purpose”. Relacionamento que ele descreve como bom.
“Não nos falamos com frequência, porém somos cordiais um com o outro. Sabemos que podemos contar um com o outro quando precisamos.“ 
Ultimamente, Bieber parece estar meio distante de seus pais, o que talvez seja até esperado, para alguém que já tem 21 anos. Sua mãe, Pattie Mallette, deu a luz ao Justin quando tinha 17, e logo em seguida (detalhadamente descrito em seu Best seller autobiográfico em 2012, Nowhere But Up), foi acusada como participante de trafico de drogas, tentou o suicídio ao se jogar na frente de um caminhão, e em seguida, em um sanatório, o encontro espiritual. Mallette foi a primeira pessoa a cuidar de Justin quando ainda está crescendo.. Em uma entrevista antiga, a mulher de olhos negros, voz suave, parecia um tanto assustada pela pessoa que havia saído dela. Porem, os dois tiveram uma queda em meados de 2014. Mais ou menos na mesma época em que Justin começou a apareceu bebendo. Eles pararam de se falar. Se reconciliaram depois inúmeras vezes, mas atualmente ela mora em Kauai. Justin diz “Eu a vejo menos que eu gostaria.“
“Estou muito mais próximo do meu pai do que eu sou da minha mãe “ e acrescenta que a relação dele com seus pais, teve uma transformação. Jeremy Bieber, foi apresentado pela mídia como um pai ausente, cujo interesse pelo filho cresceu a medida que o filho se tornava famoso. (Mallete discorre sobre este assunto em seu livro ). Justin não estava presente quando Justin nasceu, pois na época, pois estava preso. Porém, quando Justin foi preso em Miami, em 2014, era ele quem estava lá. Ele é o pai que os tablóides sempre pintaram como má influencia. Justin fala dele com respeito, mas ele mora em Ontário. Logo, seu filho só o vê esporadicamente.
A distancia física de seus pais parece estar conectada com o espaço emocional, desde que Bieber se tornou um jovem rapaz.
“Voce já não precisa muito deles. E para eles, parece que você era tudo que eles tinham. Não tudo. Mas eles investiram tudo em você e então, um dia, você parte e segue seu caminho, e já não precisa mais deles e já não precisa mais da opinião deles também.“

 

Quando eu me encontrar com Bieber em Nova York no dia seguinte, seu plano para “começar a diminuir o uso de Adderall” foi drasticamente acelerado. “Este é o meu primeiro dia sem o Adderall”, declara ele do lado de fora de seu silencioso Range Rover. Ele me disse que se sente “bem” e que o consultório médico lhe forneceu “soníferos naturais.”

“Tenho recebido muita ansiedade, e eles acham que é decorrente do Adderall”, diz ele. “É por isso que eu parei de tomá-lo. Até então eu não iria parar, porque eu realmente gosto dele. ”

Bieber descreve seu médico Carlon Colker como “um gênio”, “um médico”, e “um fisiculturista”. Você pode estar familiarizado com Colker a partir de um diagnóstico infame: Ele era o único que declarou em 2008 que Jeremy Piven tinha sofrido intoxicação por mercúrio como resultado de uma dieta pesada em sushi e “ervas chinesas”, permitindo assim o ator a abandonar seu papel em um revival na Broadway de Speed-the-Plow . Você pode reconhecer o seu nome a partir de vários processos movidos contra os fabricantes de pílulas de emagrecimento, em que Colker foi acusado de falsificação de dados, a fim de minimizar os riscos da droga. (O Advogado de Colker negou as acusações e a acusação foi retirada,suplementos dietéticos que contêm alcaloides de efedrina são proibidos pela FDA) Você também pode ter visto em 2015 um tweet de Bieber com créditos de “inibidor da miostatina,” sabor de baunilha do médico MYO-X, pra ajudá-lo a alcançar seu corpo rasgado, vestindo peças intimas para uma série de anúncios da Calvin Klein.

No início, Bieber parecia disposto para enumerar credenciais à Dr. Colker, enfatizando que ele é especialista em “atletas de alta agilidade” e “pessoas que têm um monte de estresse, que querem melhorar seu corpo ou sua mente.” Mas quando eu peço quem recomendou Colker para ele, Bieber se fecha.

“Não acho, que, todo médico é assim, de ter algo incrível para escrever sobre,”ele diz. “Eu acho que você provavelmente deve entender isso.” Estou surpreso com a reação dele, uma vez que Bieber foi em frente . Ele estava tranquilo antes, mas nesse caso eu tinha trazido um assunto que dizia à respeito ao passado sobre os rumores de seu uso de outras drogas(como xarope de codeína) e ele simplesmente se recusou a responder. Imaginei que a pergunta sobre o que o médico recomendou foi bastante banal; ele mencionou tomar Adderall, casualmente, como se fosse uma vitamina. Mas algo sobre a questão desencadeia um instantâneo estranhamento.

Em qualquer caso, corremos contra o tempo para terminar a nossa conversa sobre (Adderall) que Bieber agora se refere como “remédio profundo de merda” pois chegamos ao nosso destino final.

 

Dentro dos ‘arcades’, Justin é bom em tudo. Ele me ganha no Mario Kart. Ele me ganha no hockey. Ele me ganha em como passar os cartões de plástico que nos dá grátis creditos de jogos nas máquinas. A pontuação dele no Pop-A-Shot é mais que o triplo da minha. Eu suavemente empurro a costela dele para estragar uma tentativa de colocar a bola no buraco: “era suposto você colocar a bola no buraco”, eu falo. Mais tarde, quando eu erro, ele me zoa de volta, falando: “é isso que o seu namorado fala?” Eu falo pra ele que isso não faria sentido para o meu namorado falar isso.

Os ‘arcades’ foram desligados por nós, e por 90 minutos, este é o ambiente perfeito para Bieber: espaçoso, cheio de desvios, sem pessoas, e mais alto do que um foguete em lançamento, o que deixa a entrevista mais complicada. Quando a hora marcada para a nossa saída chega, na qual ele nunca mais vai precisar passar outra vez pelas minhas perguntas torturadoras (você pode me falar alguma coisa sobre o dia que você nasceu? “1 de Março”), a gente está de frente de uma pergunta de segurança. Adolescentes estão aparecendo. Cameras sendo pressionadas contra as janelas. Bieber não pode sair pela porta da frente.

Aos 15 anos, Justin Bieber deu de cara com a fama porque ele era polido: ele tinha cabelo sedoso e dentes lindos, e ele cantava sobre querer uma garota para se apaixonar por ele. E ele foi rejeitado porque ele era polido: toda essa coisa foi falha. Então, ele virou menos polido. Ele fez tatuagens e foi fichado na polícia. Mas em algum lugar entre jogar ovos na casa de um vizinho e ir à um bordel brasileiro, ele superou isso, indo de um passado de ‘badboy’ para um malvado normal. Agora, ele está recalibrado de novo. Ele tem reconhecido que ele estava ruim, lançado um álbum matador para provar que ele é bom, e o dobro em seus votos para fazer melhor. Pela primeira vez desde que ele era criança, Justin Bieber não é considerado um idiota e nem um monstro. Ele tem o respeito provisório e a atenção irrestrita do público em geral. Ele está à beira de uma turnê mundial, onde muita coisa pode dar errado (leia: Alemanha). Ele tem apenas 21 anos.

Enquanto seu motorista e seu segurança pensa num plano de fuga, Bieber volta para máquina de Pop-A-Shot. Ele faz cestas atrás de cestas, mas não sai nenhum ticket e o prêmio está trancado até que o brinquedo abra. Ele está fazendo o máximo disso, indo através dos movimentos e tudo mais. Alguns minutos depois, ele deslizou pela porta dos fundos e entrou dentro de uma das duas Range Rovers preta que tinha aparecido no estacionamento. Ele tem estado em Nova Iorque menos de 24 horas, mas é hora de voar para o hotel onde ele mora.

O post Justin Bieber fala sobre “Sorry”, Hailey Baldwin, mostra nova música e mais para a GQ Magazine apareceu primeiro em Bieber Fever Brasil.

Source: Bieber Fever Brazil

by
Justin Bieber fala sobre “Sorry”, Hailey Baldwin, mostra nova música e mais para a GQ Magazine

Posted in Bieber Fever Brazil and tagged by with no comments yet.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *